ALGUMA MARCA QUERENDO INVESTIR?




Yohansson bate recorde mundial no atletismo

Data: 18/11/2011

Brasileiro supera a própria marca nos 200m. Brasil lidera a modalidade.

O quarto dia de provas no atletismo foi marcado pela primeira quebra de recorde mundial por um brasileiro nestes Jogos Parapan-Americanos.

Yohansson Nascimento venceu os 200m T45/46 em 22s34, baixando em um centésimo de segundo a marca anterior – que era dele próprio, conquistada no início do ano no Mundial de Atletismo na Nova Zelândia.

Transbordando de felicidade, o alagoano tirou as sapatilhas e as jogou para o técnico Tadeu Monteiro, que o treinou em Brasília (DF) no último mês especialmente para o Parapan.

Aclamado, o velocista deu a volta olímpica no estádio levando a bandeira do México, com a torcida local gritando “Brasil, Brasil”.

O ouro de Yohansson e de outros nove brasileiros, além de três pratas e três bronzes, impulsionou o país no quadro de medalhas da modalidade nesta quinta-feira, chegando a 21 ouros, 15 pratas e oito bronzes (44 no total), à frente dos Estados Unidos (18 ouros) e do México (15).

Subiram ao topo do pódio:

- Roseane Santos, a Rosinha (lançamento de disco feminino F57/58, com 30,03m);

- Francisco Lima (lançamento de dardo masculino F44, com 50,30m);

- Edson Pinheiro (200m masculino T38, em 24s03);

- Yohansson Nascimento (200m masculino T46, em 22s34);

- Ariosvaldo Silva, o Parré (200m masculino T53, em 26s73);

- André Luiz Oliveira (salto em distância masculino F44, com 6,16m);

- Marivana Oliveira (lançamento de disco feminino F35-37, com 22,72m);

- Jenifer Santos (100m feminino T38, em 14s63);

- Odair Santos (1500m masculino T11, em 4m11s02) e

- Terezinha Guilhermina (400m feminino T11/12, em 58s42).

Os brasileiros medalhistas de prata no dia foram:

- Francisco Daniel Coelho da Silva, nos 800m masculino T37 (2m16s04);

- Shirlene Coelho, no lançamento de disco feminino F35-37 (27.64m); e

- Viviane Soares nos 100m feminino T13 (13s05), mesma prova em que Joana Helena Silva ganhou o bronze (13s28), mesma medalha de Paulo Pereira, nos 200m masculino T38 (24s41); e Carlos Barto Silva, nos 1500m masculino T11 (4m21s35).

As disputas nesta sexta-feira, último dia de provas no estádio de Atletismo, começam mais cedo, às 10h (14h de Brasília).

Das 31 finais a serem disputadas, o Brasil estará presente em 18, sendo apenas duas femininas.

Fonte: www.cpb.org.br

 

Candangos arrasam no tênis de mesa adptado no Parapan-Americano

Data: 17/11/2011, por Nádia Medeiros

Iranildo Espíndola e Ronaldo de Souza fazem a final na classe C2 (cadeirantes) e dão uma medalha dourada e uma prateada ao Brasil, que lidera a classificação geral

Quem são eles Nome:

Ronaldo Pinheiro Machado de Souza

Data de nascimento: 27/12/1976

Local: Rio de Janeiro (RJ)

Peso: 100kg

Altura: 1,86m

Classe: 2 Principais

títulos: » Ouro no Parapan-Americano na Venezuela (2009)

» Bronze por equipe no Open da Hungria (2011)

Nome: Iranildo Conceição Espíndola

Data de nascimento: 24/1/1969

Local: Novo Gama (GO)

Peso: 78kg

Altura: 1,78m

Classe: 2 Principais

títulos:

» Prata individual e bronze por equipe no World IWAS Games

» Ouro individual e por equipe no Parapan-Americano Parapan em Brasília (2003)

» Ouro individual e prata por equipe no Parapan-Americano de Mar Del Plata (2005)

» Ouro individual e por equipe no Parapan-Americano do Rio (2007)

» Bronze individual e ouro por equipe no Parapan-Americano da Venezuela (2009)

Guadalajara (México)

– Das 18 medalhas conquistadas pelo Brasil no tênis de mesa (categoria individual) no Parapan de Guadalajara, duas foram frutos da habilidade de dois candangos: Iranildo Espíndola e Ronaldo de Souza.

A dupla se encontrou na final realizada na terça à noite na cidade mexicana e quem levou a melhor foi Espíndola, que venceu por 3 x 2 e faturou o ouro após uma acirrada disputa na classe C2 (cadeirantes).

Com as medalhas dourada e prateada garantidas, o pódio de Iranildo e Ronaldo só não foi completamente candango porque Guilherme Costa, o outro competidor de Brasília, perdeu a disputa de bronze para o cubano Yunier Fernandez (caiu por 3 x 0).

Representantes da capital no tênis de mesa paraolímpico, Iranildo, Ronaldo e Guilherme têm muita coisa em comum.

Os três, que nasceram em Brasília, moram há muito tempo na capital, treinam na cidade e se consideram candangos de coração.

O esporte paraolímpico entrou na vida do trio após eles sofrerem acidentes e ficarem tetraplégicos.

Iranildo chegou a jogar futebol profissional antes de, em 1995, dar um mergulho no mar, bater a cabeça e perder os movimentos das pernas.

Ronaldo também já era do mundo esportivo antes de seu acidente. Ele praticava triatlo e, durante um treinamento de ciclismo, acabou sendo atropelado e sofrendo sequelas que o levaram para a cadeira de rodas.

Guilherme jogava futebol e queria ser profissional. Mas foi atingido em 2006 por um carro em alta velocidade enquanto atravessava uma rua no Parque da Cidade e teve que mudar seus objetivos.

“O tênis de mesa começou comigo em Brasília. Antes, era só eu. Mas, aí, fui crescendo no cenário nacional e foram aparecendo mais atletas na cidade”, diz Iranildo, orgulhoso por ter aberto a porta para outros atletas.

“Nossa estrutura melhorou e, hoje, temos competidores de alto nível que podem representar Brasília e o Brasil nas competições”, comentou Iranildo, o mais experiente dos três e que pratica a modalidade há quase 15 anos.

Com a vitória no Parapan, Iranildo conquistou a vaga para as Paraolimpídas de Londres-2012.

“Será a minha terceira (paraolimpíadas). A sensação é de dever cumprido. Só a gente sabe o que passa no treinamento. Estava com uma lesão séria no cotovelo, mas consegui recuperar e ganhar o ouro aqui. É uma vitória muito importante”, comemorou.

Apesar de ser um dos mais velhos, Iranildo, 42 anos, garante que vai continuar jogando por muito tempo.

“Meus amigos brincam dizendo que estou velho, que tenho que me aposentar. Mas pode ter certeza de que estarei nas Olímpiadas do Rio, em 2016”, afirma.

*A repórter viajou a convite do Comitê Paraolímpico Brasileiro

Quem é ele

Nome: Guilherme Marcião Costa

Data de nascimento: 20/12/1991

Local: Manaus (AM)

Peso: 75kg

Altura: 1,90m

Classe: 2

Principais títulos:

» Prata no Parapan-Americano Juvenil da Colômbia (2009)

» Prata por equipes no Brasil Open (2011)

» Bronze individual e prata por equipe na Copa Costa Rica (2011)

» Ouro por equipe no US Open (2011)

Nervosismo prejudicou

Bem menos experientes que Iranildo, Ronaldo, que começou no tênis de mesa em 2009, e Guilherme, que passou a jogar a partir de 2008, comentaram que o nervosismo prejudicou os dois.

“Eu e Iranildo somos parceiros de treino e nos encontramos algumas vezes em finais. Ele levou a melhor na maioria. Para mim, ainda falta um pouco de atitude na hora do ponto decisivo”, confessou Guilherme.

O jogador também disse ter sentido a estreia em um Parapan-Americano, mas afirmou ter saído contente, apesar do quarto lugar.

“A gente acaba sentindo nervosismo por ser a primeira vez em uma competição desse porte. Mas sou novo e no próximo sei que posso ir melhor”, disse, resignado, o atleta, de 19 anos.

Com o fim das competições individuais, o tênis de mesa começou ontem os jogos por equipe. As finais serão realizadas hoje.

Fonte: Super Esportes

Brasil supera 100 medalhas, distancia-se dos EUA e promete nesta 5ª

Data: 17/11/2011

Em apenas quatro dias , o Brasil já conquistou mais de 100 medalhas nos Jogos Parapan-Americanos de Guadalajara: já são 104, sendo 40 de ouro, 30 de prata e 34 de bronze.

O forte desempenho levou o País a disparar no quadro geral, já que os Estados Unidos, segundo colocado, têm 66 medalhas no total, com 28 de ouro.

Dos 40 ouros brasileiros, oito foram conquistados na última quarta-feira.

A natação, dona de 50 das 104 medalhas, contribuiu com mais 14, quatro delas de ouro.

No atletismo, o Brasil ganhou mais duas medalhas douradas: Lucas Prado bateu o recorde Parapan-Americano dos 200m T11, com 22s85, e Thierb Siqueira venceu os 200m T12.

A bocha também garantiu o ouro na classe BC4 no último dia de competições da modalidade, além de dois bronzes com José Carlos Chagas, na BC1, e Clodoaldo Massardi, na BC3.

Mas o pódio mais comemorado do dia foi no ciclismo de pista, com dobradinha verde-amarela na prova de perseguição da classe C4-5. João Schwindt e Soelito Ghor conquistaram ouro e prata, respectivamente, em uma final emocionante no velódromo de Guadalajara.

Outras modalidades avançaram na competição.

No tiro com arco, Francisco das Chagas Dantas e Patrícia Layolle garantiram vaga nas decisões do bronze na categoria recurvo, que acontecem nesta quinta-feira.

A Seleção Brasileira de futebol de 5 goleou El Salvador por 10 a 0 e mantêm a liderança da competição. O Brasil agora enfrenta o México nesse quinto dia de competição.

No vôlei sentado, depois de dois triunfos, os brasileiros avançaram à final e enfrentam o Canadá em busca de uma vaga na final. Apenas o campeão se classifica para Londres 2012.

A equipe feminina de goalball conquistou sua primeira vitória nos em Guadalajara com uma goleada, 10 a 0 sobre El Salvador e está classificada para a semifinal, com um dia de descanso.

Já a equipe masculina enfrenta El Salvador e México depois de golear a Argentina por 14 a 4.

Nesta quinta também acontece a disputa pelo bronze da dupla brasileiro de tênis em cadeiras de rodas, Carlos "Jordan" e Maurício Pomme, ouro no Rio 2007. Eles enfrentam a dupla colombiana Oquendo/Vega.

Fonte Terra Esportes

Soberano, Brasil garante nove ouros no tênis de mesa em Guadalajara

Data: 16/11/2011

O Brasil foi soberano nesta terça-feira na disputa do tênis de mesa individual dos Jogos Parapan-Americanos de Guadalajara.

O País conquistou 18 medalhas na competição, sendo metade delas de ouro, e assegurou inclusive duas dobradinhas: nas categorias C 1-2 e C4, vencidas respectivamente por Iranildo Conceição e Ezequiel Babes.

Iranildo garantiu a medalha dourada ao superar na final o também brasileiro Ronaldo Pereira por 3 sets a 2, parciais de 11/6, 13/15, 11/6, 2/11 e 14/12.

Já Babes esteve à beira da derrota para Ivanildo Pessoa, mas buscou uma reação incrível para vencer também em cinco sets, mas por 8/11, 9/11, 11/7, 11/2 e 11/9.

Entre os homens, outros quatro brasileiros se sagraram campeões no Parapan: Claudiomiro Segatto (C5), Carlo di Franco (C6), Carlos Carbinatti (C10) e Lucas Martins (C11).

Já entre as mulheres, as donas do ouro foram Joyce Oliveira (C4), Jane Rodrigues (C 7-9) e Iliane Faust (C11).

O tênis de mesa brasileiro ainda conseguiu colocar dois atletas no mesmo pódio em três categorias: a C11, vencida por Lucas Martins, ainda teve Juliano Fiorentin com o bronze.

Já na C3, David Andrade ficou em segundo e Welder Camargo em terceiro, e, na e C8, Paulo Salmin garantiu a medalha prateada e Francisco Melo, a bronzeada.

Os outros três bronzes brasileiros obtidos somente nesta terça nas disputas individuais ficaram com Maria Pereira (C5), Guilherme Riggio e Juliano Fiorentin (C11).

Fonte: Terra Esportes

Parapan: Brasil coleciona vitórias no segundo dia de competições

Data: 15/11/2011

O segundo dia de competições nos Jogos Parapan-Americanos de Guadalajara foi de vitórias brasileiras no basquete em cadeira de rodas (masculino e feminino), no tênis de mesa, no tênis em cadeira de rodas, na bocha e no goalball masculino.

Abaixo, um resumo dos resultados. 

- Tênis de mesa

O desfecho do segundo dia do tênis de mesa não poderia ter sido melhor para o Brasil.

Vários atletas conseguiram se classificar para as finais e em onze classes há chances reais de medalhas de ouro.

Em pelo menos três destas o primeiro lugar já está garantido, com Joyce Oliveira e Ivanildo Freitas ou Ezequeil Babes, na classe 4, e com Lucas Martins, na 11.

- Tênis em cadeira de rodas

Quatro dos cinco tenistas brasileiros saíram de quadra vitoriosos no segundo dia de competição do Parapan.

O destaque ficou por conta da jovem Natália Mayara, de 17 anos, que venceu a mexicana Esperanza Belmont por 2 a 0 (6/4 e 6/1).

Rejane Cândida (por W.O.), Carlos Santos e Maurício Pomme, este com um duplo 6/0 sobre o equatoriano Edmundo Merizalde, foram os outros brasileiros que triunfaram nesta segunda-feira.

Fonte: Final Sports

Hasteamento da bandeira do Brasil marca entrada de atletas na Vila em Guadalajara

Data: 10/112011

Delegação brasileira no Parapan-Americano é maior até que a do anfitrião México.

O hasteamento da bandeira do Brasil na Vila Parapan-Americana, nesta quarta-feira, marcou a entrada oficial dos 222 atletas brasileiros no alojamento onde ficarão durante os Jogos Parapan-Americanos, de 12 a 20 de novembro.

O número é superior ao do anfitrião México, que tem 209 competidores.

Ao todo, a delegação do Brasil conta com 362 pessoas, e é a maior já enviada pelo país a uma competição esportiva no exterior em todos os tempos.

Na cerimônia de recepção oficial, o Chefe de Missão e diretor técnico da delegação brasileira, Edilson Tubiba, exortou os atletas a “dar o melhor de cada um, para sermos o melhor da América, com o que a gente tem de melhor, nosso profissionalismo e nosso jogo limpo”.

O presidente do Comitê Paraolímpico Brasileiro, Andrew Parsons, emocionou-se no evento.

- É um sonho. Comecei a viver isso há 14 anos e jamais esperei participar de uma festa como essa. A emoção é muito forte, por ser o coroamento de um trabalho que é fruto do esforço de muita gente - afirmou.

A bandeira brasileira foi a terceira a subir na Vila Parapan-Americana, após as do México e dos Estados Unidos, apontados, junto com os canadenses, como os principais adversários dos brasileiros.

Para Ciro Winckler, coordenador da equipe de atletismo, a responsabilidade é grande:

- Somos referência nas Américas. Aqui começamos o trabalho visando as Paraolimpíadas de 2012 e 2016. Trouxemos atletas novos, cujos resultados servirão de parâmetro para o trabalho nos próximos anos.

O campeoníssimo nadador Clodoaldo da Silva, veterano em competições internacionais, diz que a meta da equipe brasileira é o primeiro lugar no quadro de medalhas da natação:

- Estamos mordidos, pois no Rio ficamos em segundo, atrás do Canadá, com dois ouros a menos, apesar de um total maior de medalhas (108, sendo 39 de ouro).

Do alto da experiência de quem já subiu quatro vezes ao topo do pódio em Paraolimpíadas, o judoca Antônio Tenório sabe que enfrentará atletas com sede de medalhas.

- O Parapan é uma competição séria, a principal do ano, e todo mundo vem aqui para buscar o ouro - afirmou.

Fonte: AHE

Campeão brasileiro do tênis de mesa adaptado embarca para o Parapan-Americano

Data: 08/112011 por Nádia Medeiros

O manauara residente em Brasília Guilherme Costa, 19 anos, embarcou ontem para a primeira participação Jogos Parapan-Americanos da carreira, que serão disputados em Guadalajara, de 12 a 20 deste mês.

Na cidade mexicana, ele irá competir com atletas de todo o continente no tênis de mesa e, quem sabe, trazer uma medalha para casa.

Atual campeão brasileiro na classe 2 — o título foi conquistado na semana passada, em Fortaleza (CE ) —, Guilherme nem sonhava que um dia pudesse se tornar um atleta do tênis de mesa.

A prioridade era até ser um esportista, mas de outra modalidade: o futebol.

Flamenguista, ele começou a jogar bola ainda pequeno e tinha como maior sonho se tornar um profissional do esporte.

No entanto, foi forçado a mudar de planos. Em 6 de novembro de 2006, quando tinha apenas 14 anos, Guilherme saía do Parque da Cidade e, ao tentar atravessar a rua na faixa de pedestre, foi atingido por um carro que estava a 120km/h.

O atropelamento obrigou o garoto a ficar oito meses no hospital, com os primeiros 60 dias na UTI.

Guilherme teve fratura exposta, traumatismo craniano e lesão medular, passou por sete cirurgias e ainda sofreu duas paradas cardíacas.

Apesar de tudo, sobreviveu. As sequelas do acidente, no entanto, levaram a cadeira de rodas para a vida de Guilherme, que ficou tetraplégico (preservando, no entanto, alguns movimentos).

Sem poder jogar futebol, ele foi apresentado ao tênis de mesa ainda no hospital, quando fazia tratamento no Sarah Kubitschek.

“O primeiro contato foi péssimo. Chorei. Queria futebol, jiu-jítsu... Sempre fui muito ligado aos esportes. Mas minha mãe pediu que eu tentasse. Na primeira aula, a professora disse que eu tinha jeito para a coisa”, conta.

Porém, após um tempo jogando, Guilherme passou um ano sem pegar em uma raquete até que decidiu voltar à modalidade.

“Estava ficando maluco sem praticar um esporte. Então, decidi voltar ao tênis de mesa. Treinava duas vezes por semana. E já no primeiro campeonato, na Copa do Brasil, fiquei em terceiro”, comenta.

As vitórias seguintes empolgaram Guilherme. Em 2009, foi convocado para o Parapan-Americano Juvenil, quando voltou com dois ouros e uma prata. Esse foi o ponto decisivo.

“Depois disso, pensei: quero ser um atleta mesmo”, diz.

Estatísticas e curiosidades

Improviso e regulamento

» Como não consegue fechar a mão direita, com a qual joga, Guilherme amarra a raquete nas mãos com uma faixa. Segundo ele, a dificuldade era grande no início, mas foi apenas questão de tempo até desenvolver a habilidade.

» Diferentemente do que ocorre na modalidade olímpica, no tênis paraolímpico o saque inicial não pode partir da lateral da mesa, mas apenas do fundo.

Fonte: Super Esportes

MAIS DE 70% DA DELEGAÇÃO NO PARAPAN É BOLSISTA DO ME

A equipe brasileira de atletas que disputará a quarta edição dos Jogos Parapan-Americanos, de 12 a 20 de novembro, em Guadalajara, no México, conta com 223 atletas, sendo 158 deles (71%) beneficiados pelo programa Bolsa-Atleta do Ministério do Esporte.

Eles irão buscar classificações para as Paraolimpíadas de Londres em 2012 e competirão no mesmo patamar de igualdade de países desenvolvidos como Canadá e Estados Unidos.

Os atletas disputarão 13 modalidades: atletismo, basquete em cadeiras de rodas, bocha, ciclismo, futebol de 5, goalball, judô, halterofilismo, natação, tênis de mesa, tênis em cadeira de rodas, tiro com arco e vôlei sentado.

Um convênio firmado entre o Ministério do Esporte e o Comitê Paraolímpico Brasileiro (CPB), no valor de R$ 6,3 milhões, viabilizou a ida de seis seleções brasileiras paraolímpicas.

O Parapan será classificatório para os Jogos de Londres 2012 em algumas modalidades, como basquete (Canadá e Estados Unidos já têm vaga), goalball, halterofilismo (vencedor de cada categoria de peso) tênis de mesa (o campeão de cada categoria) e vôlei sentado (somente o campeão conquista vaga).

No tiro com arco e no tênis em cadeiras de rodas, a pontuação no Parapan vale para o ranking internacional, qualificatório para as Paraolimpíadas.

Na primeira edição dos Jogos em 1999, na cidade do México, o Brasil conquistou 180 medalhas (92 de ouro, 55 de prata e 33 de bronze), alcançando o segundo lugar geral.

Em Mar del Plata 2003, o país foi vice novamente, com 164 (80 ouros, 53 pratas e 31 bronzes).

A meta deste ano é repetir a primeira colocação no quadro geral de medalhas, conquistada na última edição do Parapan-Americano no Rio.

Segundo o presidente do CPB, Andrew Parsons, o hipismo, modalidade que recebeu R$ 207,3 mil da verba do ministério, foi a primeira categoria a utilizar os recursos em um intercâmbio internacional cultural que começou no dia 6 de junho em competições na Europa, com qualificatórias para Londres 2012.(Ministério do Esporte)

Fonte: www.cbtm.org.br

 

Parapan Guadalajara, saiba um pouco mais sobre os esportes de raquete

Data: 03/11/2011

Entre os dias 12 e 20 de novembro, 223 atletas vão representar o Brasil nos Jogos Parapanamericanos de Guadalajara 2011.

Eles competirão em 13 modalidades e esperam repetir o bom resultado do Parapan do Rio, quando o país alcançou o primeiro lugar no quadro geral de medalhas.

Para entrar no clima e ficar mais por dentro dos Jogos, que tal ler um pouco mais sobre cada uma das modalidades? Veja:

 TÊNIS DE MESA

No Parapan do Rio 2007, o Brasil foi campeão geral da modalidade com 26 medalhas, sendo 11 de ouro, sete de prata e oito de bronze.

O objetivo é repetir a grande campanha em Guadalajara, no próximo mês de novembro.

TÊNIS EM CADEIRA DE RODAS

O Tênis em Cadeira de Rodas foi criado há mais de 35 anos e ainda hoje é um dos esportes paraolímpicos que mais cresce no mundo.

A principal diferença para o tênis tradicional é que a bola pode quicar até duas vezes.

Carlos Jordan, Maurício Pomme e Natália Mayara são alguns dos grandes nomes do Brasil na modalidade.

Fonte: Comitê Paraolímpico do Brasil

Às vesperas do Parapan, Brasil projeta 1º lugar em Guadalajara

Data: 03/11/2011

De malas prontas para os Jogos Parapan-Americanos de Guadalajara, entre os dias 12 e 22 de novembro, os 213 atletas brasileiros que competem no evento têm uma importante missão: repetir o primeiro lugar no quadro geral de medalhas, conquistado na última edição, Rio 2007.

Potência no continente, o Brasil tem bons indicativos de que a campanha se concretizará.

No Parapan do Rio, o Brasil conquistou 228 medalhas, sendo 83 de ouro, 67 pratas e 77 bronzes.

Na primeira edição dos Jogos, na Cidade do México 1999, o País conquistou 180 medalhas (92 de ouro, 55 de prata e 33 de bronze), alcançando o segundo lugar geral.

Em 2003, em Mar del Plata, repetiu o vice com 164 (80 ouros, 53 pratas e 31 bronzes).

Além disso, na Paraolímpiada de Pequim, o Brasil ficou em nono no quadro de medalhas, com um crescimento vertiginoso em relação às edições passadas - foi 14º em Atenas 2004 e 24º em Sydney 2000.

Resultados recentes também mostram um cenário positivo.

O para-atletismo brasileiro ficou em terceiro lugar geral no Campeonato Mundial, atrás somente de Rússia e China.

Esportes como ciclismo, tênis de mesa, judô e natação também são destaques.

Serão 13 modalidades disputadas no México e muitas delas já são classificatórias para os Jogos Paraolímpicos de Londres 2012 como é o caso do Basquete, Goalball, Halterofilismo, Tênis de Mesa e Vôlei Sentado.

No Tiro com Arco e no Tênis em Cadeira de Rodas, a pontuação no Parapan vale para o ranking internacional, qualificatório para as Paraolimpíadas.

Fonte: Terra Esportes

<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo > Fim >>
Página 8 de 13