PADMINTON

Um novo Esporte de Raquete

Saiba onde comprar o Kit de Padminton               



Squash também terá Brasil x Argentina nesta quarta-feira

Data: 19/10/2011

Brasil e Argentina se encontram nesta quarta-feira (19), às 20h (de Brasília), no aguardado duelo de estreia pelo futebol masculino.

Antes e depois desse jogo, porém, mais dois duelos entre os vizinhos e tradicionais rivais vão agitar as quadras de squash no Pan.

O duelo pelo torneio masculino por equipes está marcado para as 18h (de Brasília).

Assim que acabar o futebol, às 22h (de Brasília), será disputado o duelo feminino.

Cada jogo é composto por três partidas.

Antes dos argentinos, os homens enfrentam o Peru, e as mulheres jogam contra o México.

As vitórias contra a Argentina serão importantes para as equipes na briga por um lugar nas semifinais.

Nesta terça-feira (18), os homens estrearam bem, com vitória por 3 a 0 sobre o Paraguai.

As mulheres perderam por 2 a 1 para os Estados Unidos.

Fonte: R 7

Daniel Paiola fica com o bronze no badminton

Data: 18/10/2011

Promessa de medalha para o Brasil no badminton, Daniel Paiola esfourçou-se para disputar o ouro na próxima partida, mas perdeu nesta terça-feira (18) para guatemalteco Kevin Cordón.

Paiola já havia garantido o bronze ao vencer o mexicano Lino Muñoz por 2 a 0.

O brasileiro é atualmente o 88º colocado no ranking mundial, enquanto seu rival da partida desta terça-feira é o número 31, que dominou o jogo e venceu Paiola por 2 sets a 0, parciais de 21/14 e 21/8.

O guatemalteco começou melhor o primeiro set e abriu 6 a 1 logo no início.

O brasileiro tentou uma reação, mas Kevin Cordón não diminuiu seu ritmo e aumentou a vantagem para 11 a 3, com ataques fortes e aproveitando erros de Paiola.

Paiola conseguiu diminuir a diferença, com 15 a 14, mas não manteve a agressividade, perdendo por 21 a 14.

Mesmo voltando com mais garra no segundo set, ficando em alguns momentos à frente no placar, não foi suficiente para vencer a experiência do guatemalteco.

Independentemente do resultado, o brasileiro fez história em Guadalajara. Paiola conquistou medalha inédita para o badminton brasileiro ao ser o primeiro a ganhar uma medalha individual em Pan-Americanos na modalidade.

Em 2010, já contando com mais apoio do COB, participou de torneios na Dinamarca, Espanha e outros.

Passou seis meses na Malásia com outros atletas do badminton.

Fonte: Revista Época

Herói do badminton mantém nervosismo antes de receber medalha inédita

Data: 18/10/2011, por Marcelo Do Ó

Daniel Paiola já garantiu um feito inédito para o Brasil nos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara: o bronze no badminton.

Apesar disso, continua muito nervoso.

O motivo é a espera para receber a medalha, o que só ocorrerá nesta quarta-feira, depois da final da categoria masculina.

"Vou ficar mais ansioso do que para jogar, porque eu quero senti-la no meu peito", disse Paiola ao Terra.

"Meu sonho ainda é escutar o hino nacional. Eu escutei no Sul-Americano e a sensação já foi incrível", relatou o atleta que se destacou em um esporte pouco conhecido e pouco praticado no país.

Daniel Paiola dedicou a seus familiares a conquista do primeiro pódio pan-americano no badminton brasileiro.

"Eles conseguiram realizar isso. Estavam deixando de viver a vida boa porque eu estava na Europa treinando", contou o atleta, que nesta terça-feira foi derrotado na semifinal pelo guatemalteco Kevin Cordon.

Como não há disputa pelo terceiro lugar, vai receber medalha.

"Minha família abriu mão de muita coisa, meus tios e avós me ajudaram com dinheiro. Tive apoio financeiro e moral. Para quem se dedica a um esporte amador, não é fácil, na hora H, deixar muita coisa de lado. Se eu não conseguisse, todo mundo ia cair em cima de mim", complementou Daniel Paiola, relembrando as dificuldades vividas antes de chegar a Guadalajara.

Fonte: Terra Esportes

Tênis do Pan tem partidas com público zero em Guadalajara

Data: 17/10/2011, Maurício Stycer

Uma das competições de mais baixo nível técnico dos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara, o torneio de tênis conseguiu o feito de ter partidas sem nenhum espectador no primeiro dia de disputa.

O jogo entre Jose Hernandez (República Dominicana) e Julio Campozano (Equador), por exemplo, foi assistido apenas pelo staff dos jogadores, como o UOL Esporte registrou por volta das 12h40 (15h40 em Brasília).

Outra partida, entre Partida entre Daniel Lopez (Paraguai) e Martin Cuevas (Uruguai), mereceu uma plateia um pouco maior: cerca de 15 pessoas.

Uma única partida mobilizou o público na manhã de segunda-feira, não por coincidência a que envolveu uma tenista mexicana, Valeria Pulido, derrotada pela boliviana Maria Fernanda Alvarez Terán por 2 sets a 0, com parciais de 6-4 e 7-5. O forte calor que chegou a Guadalajara afetou o desempenho dos jogadores e pode ter sido responsável por afugentar o público.

A temperatura chegou próxima a 30º no início da tarde de segunda-feira.

Mas a falta de estrelas é possivelmente a principal razão para o desinteresse.

Sem nenhum top 100, o argentino Horacio Zeballos, número 105 do mundo, é o jogador mais bem colocado no ranking presente em Guadalajara.

Depois dele vem o brasileiro João Souza (também conhecido como Feijão), número 107.

No feminino, o principal nome é Christina McHale, dos Estados Unidos, número 42 do mundo.

Os tenistas brasileiros entram em quadra pela primeira vez nesta terça-feira.

Ricardo Mello enfrenta Ivan Endara, do Equador.

Rogerio Dutra Silva, o Rogerinho, joga contra Alex Llompart, de Porto Rico, e João Souza, o Feijão, disputa contra o equatoriano Julio Campozano.

Fonte: PAN UOL 2011

Após 10° ouro, Hoyama lembra família e diz que torce por Thiago Pereira

Data: 17/10/2011, por Celso Paiva

Após sair vencedor do quarto jogo da decisão do tênis de mesa por equipes, no Ginásio Code, em Guadalajara, tendo garantido a medalha de ouro para o Brasil, Hugo Hoyama falou da emoção que foi vencer a partida, decidida ponto a ponto no quarto set, que terminou com vitória brasileira por 15/13.

"Não consigo lembrar como foram os últimos pontos. Foi muito dramático, mas a minha experiência contou muito no final. O argentino sentiu no quarto set, e eu tirei proveito", afirmou o experiente mesatenista, 42 anos.

Hugo Hoyama foi escalado para o quarto jogo de simples e não desperdiçou sua chance de ser protagonista e conquistar seu décimo ouro em edições dos Jogos Pan-Americanos.

Ele bateu Pablo Tabachnik por 3 a 1, com parciais de 16/14, 8/11, 12/10 e 15/13.

Com idade de certa forma avançada, Hoyama comentou sobre a hora de aposentar a raquete.

"Eu sentindo que estou melhor do que os novatos, continuo jogando. Agora, se eu ver que tem alguém melhor do que eu no tênis de mesa brasileiro, saio de cena e vou ficar torcendo. Estou sempre apoiando quem estiver na mesa", declarou o brasileiro de origens nipônicas, que também falou de sua relação com a família.

"Mesmo com minha avó tendo nascido no Japão e eu ter os olhos puxados, eu sou brasileiro. Minha avó também é brasileira, mesmo não falando direito o português. Eu fico muito emocionado ao falar dela, porque ela tem 88 anos e continua muito lúcida. Sempre antes de vir para um torneio, faço questão de passar e dar um beijo nela, e ela me deseja boa sorte", disse.

"Competindo" com Thiago Pereira pelo posto de maior medalhista da história do país, Hoyama confirmou estar torcendo pelo compatriota.

"Não cheguei a falar com o Thiago ainda, somente na Vila, e disse que estou torcendo para ele (quebrar o recorde de medalhas). Quando todo mundo me pergunta, sempre digo isso: estou torcendo para ele. Acho que temos que torcer para os esportistas brasileiros se darem bem", declarou.

Tendo conseguido o bicampeonato no tênis de mesa por equipes, o brasileiro tomou uma atitude contrária à do Pan do Rio. "Dessa vez não esperei eles (Gustavo Tsuboi e Thiago Monteiro) virem (na direção de Hoyama). Eu que saí correndo para cumprimentá-los. Estou muito feliz de estar junto dos dois e repetir essa conquista", comemorou.

Fonte: Terra Esportes

Brasileiro luta, mas é derrotado por jamaicano no badminton

Data: 17/10/2011, por Leandro Miranda

Na última partida do dia no Ginásio Multiuso, o brasileiro Alex Tjong encarou o jamaicano Charles Pyne.

Favorito, o brasileiro, cabeça de chave número 8 do Pan, realizou um confronto disputado na partida válida pelas quartas de final da competição continental.

Apático no início, o atleta reagiu, mas acabou derrotado por 2 sets a 1, Tjong começou muito mal a partida, ficando logo de início sete pontos atrás do jamaicano no primeiro set.

O brasileiro não conseguia diminuir a diferença, que chegou a ficar em 11 pontos.

O cabeça de chave número 8 salvou 5 set points, mas acabou perdendo por 21/14.

Na segunda parcial, o panorama não mudou.

Apático e errando jogadas fáceis de deixadinhas, Tjong ficou cinco pontos atrás do placar.

A reação do brasileiro, porém, veio mais cedo.

Com quatro pontos seguidos, ele empatou em 11 a 11 com Pyne e vibrou pela primeira vez na partida, que pegou fogo.

O restante do set foi parelho, com os atletas brigado ponto a ponto pela vantagem.

O jamaicano abriu três pontos de vantagem e chegou aos 19, mas Tjong reagiu novamente e, pontuando cinco vezes em sequência, fechou o set em 21/19.

Cometendo erros bobos, o brasileiro saiu atrás do marcador mais uma vez no terceiro set, mas equilibrou as ações e deu sequência ao jogo disputado da parcial anterior.

Porém, desatento na reta final, Tjong sofreu a virada do jamaicano e foi derrotado por 21/19.

Com a vitória, Charles Pyne enfrentará na semifinal o cubano Osleni Guerrero, que ganhou de virada do favorito canadense Stefan Wojcikiewicz.

O Brasil segue representado na outra semifinal por Daniel Paiola. com parciais de 14/21, 21/19 e 19/21.

Fonte: Terra Esportes

Irmão menor do squash, raquetebol começa sem Brasil na disputa

Data: 17/10/2011

O raquetebol, esporte que foi excluído no Rio-07 e não tem brasileiros na disputa no Pan-Americano de Guadalajara, é uma das especialidades dos anfitriões dos Jogos, o México.

No último campeonato continental, na Nicarágua, o país levou três das seis medalhas de ouro disputadas.

Com isso, os mexicanos começam o Pan nesta segunda-feira como franco favoritos.

Já o Brasil não conta com representantes na modalidade.

O país não tem uma confederação nacional e o raquetebol é apenas dirigido por uma associação sem filiação ao COB (Comitê Olímpico Brasileiro).

Para os brasileiros, a modalidade é pouco conhecida.

Para entender melhor, é possível dizer que o raquetebol é irmão menor do squash.

A maneira de se jogar pode ser semelhante ao tênis, mas as partidas acontecem em lugares fechados, aproximando o esporte do squash.

As bolas podem ser rebatidas nas paredes, com a missão de impedir a devolução do adversário.

A modalidade começa no Pan às 11h (de Brasília) desta segunda-feira.

Ao todo, 60 atletas (30 homens e 30 mulheres) brigarão pelas medalhas das chaves individuais e de duplas.

Além dos mexicanos, Colômbia, Canadá e Estados Unidos aparecem entre os candidatos ao ouro.

Todos entraram em quadra no domingo para o último treino, mas um país se destacou: a República Dominicana.

Com um jogo entre homens e mulheres da delegação, ele exibiram força e jogadas emocionantes.

Este será o quarto Pan em que o raquetebol é disputado.

A primeira vez em que a modalidade fez parte do programa de esportes foi em Mar del Plata-95, depois esteve presente em Winnipeg-99 e por último em Santo Domingo-03.

Agora voltará ser disputado em Guadalajara.

E o irmão menor do squash também não está no programa dos Jogos Olímpicos.

Um dos motivos alegados para a não inclusão do esporte nos programas de esportes é a dificuldade para transmitir as partidas pela televisão, principalmente devido a velocidade com que se joga.

Fonte: IG Esportes

Brasil perde para dupla argentina e fica sem representantes no squash

Data: 17/10/2011

O Brasil não tem mais representantes na disputa do squash dos Jogos Pan-americanos de Guadalajara.

Os últimos representantes brasileiros com chances de medalha foram eliminados pela argentina na noite deste domingo.

Rafael Fernandes e Vinícius de Lima caíram diante da dupla argentina formada por Hernan D'Arcangelo e Roberto Pezzota por 2 sets a 1, parciais de 8/11, 11/9 e 11/5.

Mais cedo, o mesmo Rafael Fernandes perdeu na competição de simples e também foi eliminado.

O brasileiro foi eliminado pelo canadense Shaw Delierre por 3 sets a 1.

Rafael perdeu a primeira parcial por 11 a 7, mas se recuperou na segunda e venceu por 11 a 8, forçando um quarto embate.

No entanto o rival voltou a ficar a frente e selou a vitória com novas parciais de 11/9 e 11/7.

Pela equipe feminina, Thaisa Serafini, que havia estreado com vitória sobre a norte-americana Lily Lorentzen, foi derrotada pela representante da Guiana, Nicolette Fernandes por 3 sets a 0, parciais de 11/9, 11/9 e 11/9.

Fonte: Terra Esportes

Herói do Pan, Hoyama decide disputa por equipes e leva 10º ouro

Data: 17/10/2011

O Brasil conquistou o primeiro lugar na disputa do tênis de mesa por equipes dos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara.

Contando com participação decisiva de Hugo Hoyama, a equipe verde e amarela superou nesta segunda-feira os argentinos por 3 a 1 na decisão de melhor de cinco jogos disputada no Ginásio Code.

Fonte: Terra Esportes

Daniel Paiola vence mexicano e garante medalha histórica no Badminton

Data: 17/10/2011

O atleta da Seleção Brasileira de Badminton, Daniel Paiola, fez história nesta segunda-feira.

Ele venceu o mexicano, Lino Munoz, por 2 x 0, com parciais de 21-12 e 21-16 e foi o primeiro brasileiro a garantir uma medalha de bronze na categoria de simples no badminton.

A partida foi disputada no Gimnasio Revolución, em Guadalajara.

“Foi uma partida épica. Joguei contra o mexicano, o ginásio pressionou de todos os lados. Tive que me superar muito, ainda mais no segundo set, quando estive ganhando de 8 x 3 e sofri a virada, perdendo por 11 x 09, mas agora é concentrar e focar para a semifinal”, comentou o brasileiro muito emocionado pelo resultado.

Na semifinal, nesta quarta-feira, o brasileiro enfrenta o atleta da Guatemala Kevin Cordon, cabeça de chave número um.

“Será um jogo muito complicado. Mas, estou jogando bem e ele é o favorito. Agora é concentrar para jogar bem nas duplas”, finalizou o brasileiro que ainda nesta segunda-feira, joga dupla contra os americanos, Halim Haryanto Ho e Sattawat Pongnairat.

Após a partida, os outros atletas da Seleção Brasileira, que estavam no ginásio invadiram a quadra para comemorar e pularam em cima de Daniel Paiola, fazendo o tradicional montinho.

No badminton não há disputa do terceiro lugar, por isso, ao chegar na semifinal, o brasileiro já garante a medalha de bronze.

Fonte: Daniel Paiola

<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo > Fim >>
Página 9 de 13