Onde Treinar



A Tênis&Cia., localizada em Santo André, possui uma das melhores infra-estruturas das academias da região do ABC. Engloba a maioria dos esportes em um só lugar e oferece lazer para que toda a família possa praticar atividade física, e se quiserem, no mesmo horário. Uma função que poucas academias disponibilizam, mais característica em clubes.

Presente no mercado há 10 anos, e sob nova direção desde o inicio de 2006, a Tênis&Cia. sabe muito bem o que é necessário para unir, saúde, beleza e lazer. São 6 quadras de tênis, 3 paredões, 2 churrasqueiras ao lado das quadras, 1 churrasqueira para eventos, 2 quadras de squash, ampla sala de musculação, salas de ginástica, pilates, boxe, fisioterapia e estética, lanchonete e loja de artigos esportivos.

Além de possuir estacionamento próprio com seguranças de plantão. A afinidade com o tênis não pode ser escondida e nem dispensada. Os três sócios e proprietários da Tênis&Cia., estão ligados ao esporte desde crianças e cultivam através do trabalho, uma de suas paixões.

Rua São Francisco, 55
Valparaíso - Santo André - São Paulo
Fone: 4438-0855
(Veja o mapa)

Torneios

Este espaço é destinado para a divulgação dos principais torneios da modalidade. As Academias, clubes e locais de prática que estão cadastrados no Club Racket também podem divulgar seus torneios no portal.


Data: 19 a 21/08/2011
Datas:26, 27 e 28/08/2011
Data de inscrição: 12/08/2011
Inscrições: até 23/08/2011
Lugar: Academia One
Lugar: SquashABC - ASPM - Santo André
Tipo de evento: 1º Joinville Brasil Open de Squash
Tipo de evento: Circuito Regional Squash ABC

Organizador/responsável: FCS  www.fcsquash.com.br


Organizador/responsável: Squash ABC
Taxa de Inscrição: 1 Cat R$ 40,00. 2 Cat R$ 60,00
Taxa de Inscrição: R$ 50,00 para 1 Cat, R$ 75,00 para 2 Cat.

Exibir mapa ampliado>Exibir mapa ampliado
 
Exibir mapa ampliado>Exibir mapa ampliado

Data: 16 a 20/03/2011
Datas: 1, 2 e 3/07/2011
Data de inscrição:
Inscrições: até 29/06/2011
Lugar: Clube Paineiras
Lugar: Academia Squash e Fitness em Porto Alegre
Tipo de evento: 1ª Etapa do Estadual Paulista
Tipo de evento: 3ª Etapa Circuito Gaucho - Etapa Bronze - Profissional
Organizador/responsável: Federação Paulista de Squash
Organizador/responsável:
Taxa de Inscrição: 70,00
Taxa de Inscrição: R$ 45,00 para uma Cat, R$ 70,00 para 2 Cat.

Exibir mapa ampliado
 
Exibir mapa ampliado

Ranking

A World Squash Federation é a entidade máxima do esporte squash.

www.worldsquash.org

A Confederação Brasileira de Squash foi oficialmente fundada em 21 de junho de 1991 na sede do Comitê Olímpico Brasileiro (COB) com apoio do então presidente, André Gustavo Richer, e do presidente da Confederação Brasielira de Desportos Terrestres (CBDT), Aloisio Amorim.

Atualmente a Confederação conta com 12 federações filiadas.

www.squashbrasil.org

 

Regras

CBBT (Confederação Brasileira de Beach Tennis) está filiada na I.F.B.T. (International Federation of Beach Tennis) e representa a modalidade Beach Tennis e suas variantes: Beach Tennis – areia, Green Tennis – Gramado e Ginásio e Free Tennis – outras superfícies.

Área de Jogo

A dimensão do campo de Beach Tennis na modalidade de singulares é 16x5m e de pares 16x8m, dividido ao meio por uma rede com 1,70m de altura quando jogado em areia.

Bola

A bola corresponde ao peso, medida e pressão, de acordo com as especificações do I.F.B.T.

Raquete

A raquete devem atender as normas da I.F.B.T. para provas oficiais. As medidas são no máximo 55cm de comprimento e 30cm de largura.

Jogo

O objetivo do jogo é devolver a bola recebida, sem ressalto no chão, para o campo adversário.

Sorteio

A escolha de lado, servidor ou recebedor é feita por sorteio.

Mudança de lado

Quando a totalidade dos pontos for impar, os jogadores trocam de lado.

Pontuação

A pontuação é 15, 30, 40, ganha o jogo quem ganhar o ponto subsequente ao 40.

Encontros

Os encontros geralmente são de 6 games, podendo variar conforme a disponibilidade de tempo e número de participantes. Em caso de igualdade joga-se um tie-break.

Tie-break

Quando existe uma igualdade de games em 6-6, 7-7 ou 8-8, realiza-se um tie-break. Se a contagem do Tie-Beak atingir 6 a 6, o vencedor será a dupla que obter uma diferença de 2 pontos sobre o adversário. Os jogadores mudam de lado sempre que fizerem 4 pontos.

 Serviço

O serviço é efetuado atrás da linha de fundo. Nos jogos da categoria Mista o jogador masculino é obrigado a servir por baixo.

Falta no serviço

É considerada falta no serviço se: a bola sair fora da área do campo; a bola atingir um objeto permanente, o jogador entrar no campo antes de bater a bola.

Serviço toca na rede

Sempre que o serviço toca na rede a jogada terá de continuar. Não existe repetição.

Fonte: Confederação Brasileira de Beach Tennis

 

História

O Beach Tennis é uma modalidade que foi criada em 1997, na Província de Ravenna, na Itália, e teve a primeira quadra idealizada por Dott Bellenitti.

Nos dias atuais, calcula-se que exista em torno de 500 mil praticantes em mais de 66 países.

O esporte tem as regras bem parecidas com o Tênis, e a contagem idêntica (15, 30, 40 e game, sem a vantagem nos 40 iguais), mas possui apenas um saque por ponto disputado.

As raquete oficiais IFBT possuem as dimensões 55cm X 38mm.

A rede é montada a uma altura de 1,70mts, e a bola possui média pressão (SOFT) para homologação IFBT.

O Beach Tennis é uma mistura de tênis, vôlei de praia, badminton e frescobol.

No Brasil a prática do Beach Tennis começou em 2008, na cidade do Rio de Janeiro, Atletas brasileiros já conquistaram o 3° lugar nos campeonatos mundiais de 2008 e 2009, com destaque para o ouro no masculino e feminino na Copa das Nações em dezembro de 2009, em Aruba.

A Confederação Brasileira de Beach Tennis (CBBT), criada em 23 de outubro de 2009, tem por objetivo o desenvolvimento desta modalidade esportiva em todo o Brasil.

O Beach Tennis promove acima de tudo saúde e qualidade de vida, melhora o condicionamento físico aeróbico, anaeróbico, força muscular e resistência muscular de MI (Membros Inferiores) e MS (Membros Superiores).

Os golpes mais usados no Beach Tennis são:

- Voleio de forehand

- Voleio de backhand

- Lob

- Smash

- Drop shot

- Saque

Fonte: www.cbbeachtennis.com

 

Equipamentos

 

Curiosidades

COMO O NOVO SISTEMA PLAY AND STAY PODE MELHORAR O SEU JOGO

Data: 22/08/2011

Por Suzana Silva

A Federação Internacional de Tênis, atenta ao movimento dos tenistas na direção desta ou de outra forma de lazer, percebeu que muitas pessoas que começavam a jogar tênis acabavam parando depois de algum tempo.

Ver um tenista profissional em ação, ter um ídolo esportivo do próprio país, quadras públicas à disposição, tudo isso influi para que alguém decida dar suas primeiras raquetadas.

Mas a permanência no esporte depende de mais alguns fatores.

Quais?

Os leitores deste site (Tênis Brasil) provavelmente já foram mordidos pelo “bichinho” do tênis e possuem um mínimo de controle, ou seja, já passaram da fase de “furar” bolas e de usar muito mais tempo pegando bolas perdidas do que efetivamente rebatendo-as.

E o começo? Foi fácil?

Neste mundo moderno, tecnológico e rápido em que vivemos, são poucas as pessoas que dispõe de paciência e de tempo para aprender um jogo novo e se divertir.

Normalmente usam apenas os dedinhos num joystick ou num teclado e está valendo.

Tênis? “Ah, é muito difícil”, “Não tenho coordenação para jogos com bola”, “Eu a uma raquete não poderemos nos dar bem nunca!”, são desculpas comuns para manter as pessoas longe do esporte branco.

E, quando conseguem começar? Após três meses de infrutíferas tentativas para controlar a bolinha, desistem e partem para esportes ou atividades físicas mais fáceis, e que promovem ganhos em condicionamento físico: corrida, futebol, voleibol, Pilates, e todas as modalidades de fitness.

Respondendo à pergunta do início deste artigo, o sistema Play and Stay é um fator de peso para influenciar a permanência das pessoas no tênis por mais tempo.

O slogan do programa: “Saque, jogue e pontue” já diz tudo: é preciso que o tênis seja encarado em sua essência, ou seja, como um jogo, desde o dia 1.

Este é o segredo da coisa. As trocas de bola permitidas pelo sistema Play and Stay são o “pulo do gato”: mais bola em jogo, mais deslocamentos por mais tempo, e como conseqüência mais condicionamento físico aeróbico.

Mas, que raio de negócio é isso do Play and Stay?

É tão simples e óbvio que pensamos: como não tive esta idéia antes? O sistema Play and Stay usa bolas mais lentas, em espaços reduzidos, aumentando as chances de pessoas - com ou sem experiência esportiva anterior - conseguirem trocar mais bolas!

Todo o sistema é baseado neste princípio de facilitar o aprendizado: há quatro velocidades de bola e três tamanhos de quadra progressivos em dificuldade (veja quadro).

Com a bola mais lenta (vermelha, 25% da velocidade da bola normal), no espaço aproximado da área de saque, iniciantes de todas as idades conseguem trocar muitas bolas, desde o primeiro dia. E a idéia central do sistema fica garantida (saque jogue e pontue desde a primeira aula!).

Conforme o praticante evolui, pode-se aumentar o tamanho da quadra e a velocidade da bola.

Um professor de tênis familiarizado com o sistema poderá ajudar nessa transição.

O importante é que seja mantida a possibilidade de trocas de bola, com domínio pelos praticantes.

É outra coisa praticar com amigos usando a bola correta para o nível de habilidade!

Professores antenados já usam bolas mais lentas em suas aulas de adultos e crianças iniciantes há algum tempo (aqui no Brasil são fabricadas aquelas bolas com menor pressão, normalmente de duas cores), porque perceberam que além de permitir maiores trocas de bola e a sensação do jogo, também contribuem para o aprendizado mais rápido da técnica.

Explico: mais lentas, permitem que o aluno acerte melhor a percepção do tempo da bola e acione a preparação do golpe, fundamental para o contato firme e à frente do corpo.

Mas, atenção: as duas cores dessas bolas antigas nada têm a ver com as bolas do Play and Stay.

As bolas oficiais do sistema possuem indicação no tubo ou no invólucro indicando Vermelha – Laranja – Verde.

As bolas de duas cores nacionais seriam intermediárias entre a vermelha e a laranja, aproximadamente.

Para saber mais, entre no site da CBT (www.cbtenis.com.br).

Lá, além do link para o site do sistema (www.tennisplayandstay.com), você ainda pode acompanhar a aplicação disso tudo nas competições nacionais até 10 anos.

Lembrando: o sistema facilita o aprendizado para adultos e crianças.

Fonte: Tênis Brasil

 

 

Os Segredos da Raquete

Você sabia que antigamente as raquetes eram feitas de madeira?

Somente nos anos 80 as raquetes passaram a ser feitas de fibra de carbono.

Hoje, elas são muito mais leves e aerodinâmicas, o que permite um ganho significativo na velocidade dos golpes.

Mas você conhece as principais características das raquetes para que isso aconteça?

Engenheiros fazem cálculos para que as raquetes atinjam os objetivos específicos destinadas a cada modelo.

Por traz disso, há muita ciência e tecnologia envolvida.

Veja os principais fatores considerados na construção das raquetes:

MATERIAL

As raquetes são feitas de grafite, titânio ou kevlar, que podem também estar misturadas entre si ou com fibra de carbono.

As raquetes de alumínio são indicadas para crianças ou adultos iniciantes.

Já as raquetes de grafite, são recomendadas para crianças avançadas ou adultos de nível intermediário

CABEÇA

A cabeça pode variar de 88 a 135 polegadas quadradas, mas a grande maioria possui entre 90 a 110.

Midsize – Cabeças de até 104 polegadas oferecem menor potência e maior controle. Ideais para tenistas competitivos e de fundo de quadra.

Over-size - Cabeças de 104 a 110 polegadas aumentam a velocidade do golpe, mas diminuem a precisão.

Superover-size – Cabeças acima de 110 polegadas são indicadas para jogadores recreativos. Favorecem o saque, voleio e slices.

EQUILÍBRIO

- Ideais para iniciantes, quando o peso maior da raquete está na cabeça, consegue maior velocidade, porém menor controle.

- Para os tenistas intermediários, existem raquetes com equilíbrio zero.

- Ideais para tenistas mais avançados, com o peso no cabo raquete, há menor potência e maior controle.

 FLEXIBILIDADE

As raquetes podem ser mais flexíveis ou mais rígidas.

Quanto mais flexíveis, soltam menos a bola e exigem dos tenistas o uso de mais força do braço.

TAMANHO

Existem raquetes com mais de 27 polegadas de comprimento.

Quanto mais comprida a raquete, maior será o alcance, a potência e a facilidade de obter ângulos.

Por outro lado, a desvantagem é maior dificuldade no manuseio e perda de precisão.

As raquetes mais longas são recomendadas para tenistas recreativos.

PONTO DOCE (SWEET SPOT) 

Sweet Spot ou área doce de uma raquete é a área central das cordas, onde se consegue maior rendimento no impacto com a bola.

Quando batemos a bola fora do centro do aro, a raquete produz uma torção e vibração mais significativa, o que pode incomodar o braço causando Tennis Elbow, por isso recomenda-se que iniciantes devam usar raquetes maiores, ou seja, que possuem maior ponto doce.

Quanto menor o ponto doce, maior precisão é exigida do tenista.

GRIP (EMPUNHADURA)

A empunhadura ou grip é área onde você segura a raquete.

É a grossura do cabo da raquete, que depende do tamanho da mão do jogador.

Usualmente, o grip pode ser encontrado em 6 tamanhos.

Há duas diferentes nomenclaturas para os tamanhos de grip: a americana que expressa o diâmetro em polegadas e a européia que nomeia os tamanhos de L0 a L5.

Veja ao lado uma tabela de equivalência entre as nomenclaturas.

Como medir a empunhadura mais indicada?

Há dois métodos usuais para medir o tamanho ideal do grip:

O primeiro consiste em empunhar uma raquete e com a outra mão posicionar seu dedo indicador entre a ponta dos dedos e a palma da mão que esta segurando a raquete.

Seu dedo deve caber justo neste espaço.

Se sobrar um vão, o grip está grande demais, se o dedo não couber o grip está pequeno demais.

 

 

Caso você não disponha de raquetes com diversos tamanhos de grip ou deseje obter maior precisão em sua medida, você pode utilizar o segundo método.

Esse consiste em medir a distância entre a linha do meio da palma de sua mão até a ponta de seu dedo anelar.

Vale lembrar que se você tiver dúvida, é melhor estimar por cima, já que o risco de lesões é muito mais alto quando se utiliza um grip menor do que o ideal.

 

Você pode usar overgrips sobre o cabo da raquete para compensar o tamanho do grip em 1/16 de polegadas ou em 1/8 de polegadas.

CORDAS 

As cordas influenciam muito no desempenho e existe uma enorme variedade.

Difícil escolher a melhor?

São três fatores determinantes: Material, espessura e tensão.

- As de nylon são mais simples, mais grossas e resistentes, mas perdem a tensão rapidamente e proporcionam menor sensibilidade do golpe.

- As de polyéster são resistentes, porém perdem a tensão rapidamente e absorvem melhor o impacto.

- As de tripa podem ser sintéticas (boa absorção e resistência, menor perda de tensão) ou natural (a mais indicada, porém de alto custo).

As espessuras geralmente variam entre 1.25 e 1.35.

TENSÃO DAS CORDAS

Na lateral de cada raquete é possível verificar a tensão das cordas que variam entre 50 e 55 libras (medidas no Brasil).

Quanto menor a libra, maior potência e menor o controle.

Quanto maior a libra, maior controle e menor o potência.

Fonte: HEAD BRASIL

 

 

Você sabe por que a contagem do game é 15 - 30 - 40?

Resposta: Antes das Regras Oficiais, quando o tênis era praticado dentro dos palácios ou nos vistosos gramados dos jardins, pela realeza européia, existia o seguinte:

O primeiro ponto era sacado da linha de base, este sendo vencido pelo sacador, ela obtinha o direito de sacar o segundo ponto, 15 polegadas à frente. Vencendo este ponto, novo avanço de mais 15 polegadas, somado ao primeiro então teríamos 30 polegadas. Vencendo novamente ela vai à frente em mais 10 polegadas, totalizando 40 polegadas, do o sacador realizava o saque.

Então vejamos: Existiam mais três linhas o fundo da quadra, que só valiam para o serviço. A linha de base (fundo), outra linha à 15 polegadas, outra à 30 polegadas e mais uma à 40 polegadas.

Teoricamente, quem era o sacador obtinha uma enorme vantagem e dificilmente o seu serviço era quebrado.

Fonte: Luiz Sisto

 

Regras

Tênis de Campo, ou simplesmente tênis, é um esporte que teve origem na Inglaterra. É praticado em quadras de diferentes superfícies (saibro, sintéticas, cimento ou grama) que podem ser cobertas ou não (geralmente são descobertas).

Participam no jogo dois atletas ou duas duplas. A quadra é dividida por uma rede, e o objetivo do jogo é rebater uma pequena bola com uma raquete para o lado do adversário.

Para marcar um ponto é preciso que a bola toque no solo em qualquer parte dentro da quadra adversária, fazendo com que o adversário não consiga devolver a bola antes do segundo toque, ou que a devolva para fora dos limites da outra meia-quadra.

O tênis possui um específico sistema de pontuação que subdivide o jogo em games e sets. Explicando superficialmente, cada game é um conjunto de pontos (15-30-40-game) e um set é um conjunto de games (1-2-3-4-5-6-set). Cada game tem um jogador responsável por recolocar a bola em jogo: fazer o serviço ou sacar. No tênis de competição, é comum que o jogador que serve fature o game, já que tem a vantagem do ataque e dita o ritmo do jogo.

Vocabulário próprio:

Assim como outros esportes, o tênis apresenta alguns termos próprios, geralmente apenas compreendidos pelos praticantes. Os mais comuns:

Ace – Saque que, bem colocado ou batido com muita força, não dá chance ao adversário de devolver a bola.

Backhand – Batida de esquerda (ou, para canhotos, de direita),.

Baloeiro – É uma gíria pejorativa utilizada entre os tenistas para se referir aos jogadores que mandam bolas altas (balões) de difícil devolução. Normalmente os jogadores iniciantes ou com pouca técnica se valem de tais artifícios para ganhar ao adversário, ainda que involuntariamente. Entretanto, há alguns jogadores profissionais famosos por "dar balão".

Quebra de serviço – Ganhar o game em que foi o adversário quem sacou.

Break point – Ponto em que o recebedor terá a chance de quebrar o serviço do oponente.

Iguais – Igualdade no placar de um game depois de ele atingir 40/40.

Drive – Qualquer golpe dado no fundo da quadra.

Drop shot ou Deixadinha – É uma devolução dada com efeito cortado (underspin) para que a bola aterrisse perto da rede do lado adversário.

Falta – Um erro no. Dois erros consecutivos, ou dupla falta, fazem o sacador dar um ponto ao oponente.

Forehand: Batida de direita (ou, para canhotos, de esquerda).

Net – Lance no qual durante a execução do saque, a bola toca a fita da rede (net) e cai dentro da área de saque, resultando na repetição daquele saque (tanto primeiro quanto segundo serviço).

Lob – Golpe dado sobre o adversário quando ele está próximo da rede.

Love – é o mesmo que zero. Os estudiosos dizem que foi introduzido à linguagem do tênis por dois motivos: O primeiro deles é o fato de que se o jogador está com zero, significa que ele só joga por amor, em inglês Love. O segundo dele é o fato de na língua francesa, l'oeuf significar ovo, que parece um zero.

Match point – Ponto que permite encerrar a partida.

Passada – Golpe dado sobre o adversário quando este está próximo da rede, em que a bola lhe passa pela esquerda ou direita.

Set – Parte da contagem do tênis. A série termina quando um dos tenistas atingir 6 games, desde que haja dois games de diferença. Há jogos em melhor de três ou cinco sets.

Set point – Ponto que permite encerrar um set.

Slice – Batida dada com a raquete quase na horizontal, como que "fatiando" a bola. É usado como recurso de defesa para quando não se está bem posicionado para executar um drive. Também é usado por muitos tenistas para fazer uma aproximação à rede ou simplesmente para quebrar o ritmo do adversário, que muitas vezes já espera uma bola veloz.

Smash – Batida dada por sobre a cabeça, quando a bola vem alta do adversário.

Topspin – Batida dada com efeito que faz a bola passar alta sobre a rede para sofrer uma brusca. Como o próprio nome diz, esse efeito faz com que a bola suba (top) e ganhe velocidade ao tocar na quadra.

Voleio – Ato de rebater a bola antes que a mesma toque a quadra. Geralmente é feito perto da rede.

Winner – Ponto vencedor. Bola lançada em local indefensável para o adversário.

A quadra:

O tênis é jogado em uma quadra retangular que tem 23,77m de comprimento e 8,23 de largura para partidas simples, para jogo de duplas a quadra tem 10,97m de largura. O espaço adicional em torno da quadra é necessário para que jogadores possam alcançar a bola. A rede tem 1,07m de altura nas extremidades 91cm de altura no centro.

A quadra de saibro é composta por terra e argila, coberta com pó de tijolo, um piso que torna o jogo um pouco mais lento. Em quadras de argila, as linhas são facilmente visíveis porque a bola deixa uma marca no solo. O Torneio de Roland Garros disputa-se em quadras deste tipo.

As quadras duras (hardcourt) abrangem muitas superfícies diferentes, variando do cimento, tartan ou asfalto. É um piso de jogo rápido e jogadores que gostam de sacar e subir para a rede têm vantagem neste tipo de superfície.

A grama é o piso mais rápido do tênis, caracterizando-se pela irregularidade da. Os grandes vencedores nesta superfície jogam ao estilo serviço e voleio, como Pete Sampras. O Torneio de Wimbledon é jogado nesta superfície.

História

Alguns crêem que o tênis surgiu como uma variante dos antigos jogos de bola praticados por egípcios, gregos e romanos. Outros acreditam que o tênis deriva de um jogo romano chamado "harpastum", que foi adaptado pelo país basco e recebeu o nome de "jeu de paume" porque a bola era batida contra um muro com a palma da mão.

No século XII, o "jeu de paume" difundiu-se por toda a França, com muitas modificações, tanto nas regras quanto na configuração dos campos. Ele deixou de ser jogado com a bola contra o muro, passando a ser praticado em um retângulo dividido ao meio por uma corda. Surgiu, assim, o "longue-paume", que permitia a participação de até seis jogadores de cada lado.

Mais tarde surgiu o "court-paume", jogo similar, jogado em recinto fechado, mas de técnica mais complexa e exigindo uma superfície menor para sua prática. As partidas eram disputadas em melhor de 11 jogos, saindo vencedora a equipe que fizesse primeiro os seis jogos. Eis porque, no tênis, os seis jogos (games) definem, em regra, uma partida (set).

Somente no século XIV apareceu a raquete, invenção italiana, que tornou o jogo de "paume" menos violento e mais interessante, facilitando sua prática pelo resto da França. O esporte logo atravessou o Canal da Mancha e, já neste século, era muito conhecido em toda a Inglaterra, tendo o Rei Henrique VIII como um de seus praticantes mais habilidosos.

Com o aparecimento da bola de borracha, em meados do século XIX, surgiu na Grã-bretanha o tênis ao ar livre, ou "real tennis", bastante semelhante ao "court-paume", mas sem paredes laterais e de serviço.

O major inglês Walter Clopton Wingfield,em serviço na Índia, apedido das senhoras inglesas, estudou os jogos precursores do tênis, introduziu alterações em suas regras e padronizou as medidas da quadra em 1873. No ano seguinte patenteou um manuscrito do regulamento, detalhes do jogo, quatro raquetes, uma rede e bolas, num "kit" de madeira, o qual era vendido, na época, por cinco guinéus, ao qual se chamou "Sphairistike" em homenagem aos gregos que assim chamavam os exercícios feitos com auxílios de bolas. Esse nome, no entanto, não durou muito, sendo logo substituído por "tênis", que provavelmente deriva do francês "tenez" que significa: "pega"! Era exclamado quando o jogador atirava a bola para o adversário. Em 1875, no dia 25 de maio, houve em Londres, uma reunião publica, onde foi aprovado o Código do "Lawn Tennis", inclusive a discutida pontuação do saque, em fração de 15 polegadas. O tênis (chamado nessa época de "tennis-in-lawn" por ser jogado em quadras de grama). Logo se expandiu por toda a Índia, impulsionado pelo entusiasmo das senhoras e logo chegou à Inglaterra, desbancando o "cricket", maior sucesso da época em terras briânicas. A partir daí, o tênis teve suas regras modificadas e uniformizadas para ser praticado em todo o mundo.

Passou a fazer parte da programação dos Jogos Olímpicos de 1896 a 1924 e foi suprimindo nesse ano. A partir de 1900, foi iniciada a disputa da Davis Cup, equivalente ao campeonato mundial de equipes, repartidas por zonas geográficas (americana, européia e oriental).

Na América do Sul, o tênis tomou considerável impulso, principalmente a partir de 1921, ano em que começou a realizar-se a Taça Mitre (campeonato sul-americano, individual e por equipes - adultas), e mais ainda, depois de 1948, ao ser instituída a Taça Patinõ (campeonato sul-americano individual e por equipes - juvenis), troféu que têm sido ganho várias vezes pelo Brasil.

No Brasil o tênis foi introduzido por estrangeiros no "Rio Cricket", em Niterói e na "Wahallah", de Porto Alegre, por volta de 1898, estando sua coordenação desde 1955 a cargo da Confederação Brasileira de Tênis e Federações Estaduais, subordinadas ao Conselho Nacional de Desportos.

Dos tenistas sul-americanos destacaram-se internacionalmente a brasileira Maria Ester Bueno e o peruano Alex Olmedo, campeões de Wimbledon.

Atualmente o tênis deixa de ser um simples esportes para se tornar um acontecimento internacional, através dos diversos torneios disputados pelo mundo, acompanhados por milhões de pessoas. Os prêmios, patrocinadores e tenistas (verdadeiras personalidades internacionais) também colaboram para a festa que o tênis moderno efetivamente se transformou.

Fonte: Luiz Sisto


 

<< Início < Anterior 61 62 63 64 65 66 67 68 Próximo > Fim >>
Página 68 de 68