Qua, 17 de Agosto de 2011 16:22

Dicas

Qualifique este item
(1 vote)

CONHECENDO A RAQUETE DE BEACH TENNIS

Data: 25/08/2011

Hoje, no Brasil, já é possível encontrar diversas marcas de raquetes de beach tennis e, na Itália, a variedade é maior ainda.

Mas você já se perguntou o que difere de uma raquete para outra?

Para os que ainda não conhecem o esporte, aqui do lado está um modelo de raquete.

As raquetes normalmente são parecidas com essa, variando o tamanho do cabo, o número de furinhos, o material com são que são produzidas e, consequentemente, o peso.

Cada fator desses é muito importante e cada jogador deve procurar uma raquete que melhor se adapta ao seu estilo de jogo.

Bom, para trazer essas informações para vocês, eu conversei com Ricardo Fontenelle Quissak, representante das marcas de beach tennis Quissak, Toalson e Power.

Furinhos na Raquete:

Qual a Finalidade?

Os furos na raquete têm como finalidade reduzir a resistência do ar, fazendo com que o jogador tenha que fazer menos força para bater na bola.

Eles são fundamentais, porém se a raquete possuir muitos furos, os golpes acabarão perdendo a potência.

Cabo Longo ou Cabo Curto?

Raquetes curtas são mais fáceis de serem manuseadas devido à proximidade do cabo com o aro da raquete, gerando mais controle e precisão nos golpes.

Raquetes longas são mais difíceis de serem manuseadas, porém geram mais alcance e alavanca, proporcionando mais potência nos golpes.

Raquetes Pesadas ou Leves?

Raquetes pesadas geram mais potência, porém podem provocar maior desgaste muscular.

Raquetes leves geram mais controle, são mais fáceis de serem manuseadas, mas necessitam de muita aceleração nos golpes para se obter potência.

Material da Raquete

Raquetes de Fibra de Vidro – são raquetes leves e flexíveis, agridem menos o braço e geram muito controle e menos potência.

Raquetes de Graphite – são raquetes com peso e flexibilidade intermediária, gerando bom controle e boa potência.

Raquetes de Carbono/ Kevlar – são raquetes extremamente rígidas, agridem mais o braço e geram muita potência e menos controle.

A autora

Carioca, 32 anos, Ex-número 1 do Brasil no Tênis, Bi Campeã Panamericana 1999 e 2003, Representou o Brasil na Fed Cup durante 8 anos, nas Olímpiadas de Sydney 2000, Us Open 2001 e AUS Open 2002.

Cursando o 5º período de Comunicação Social da Faculdade Estácio de Sá.

Concilia os estudos com Projetos para o desenvolvimento do Tênis e Beach Tennis no Rio de Janeiro junto a Equipe JC. Atleta de Beach Tennis, 6ª no ranking da ITF (International Tennis Federation).

OBS: Matéria postada em 19/06/2010 por Joana Cortez

Fonte: Mundo do Beach Tennis por Joana Cortez

 

 

 

Prática de esportes na praia: HCor traz dicas de como curtir as atividades litorâneas, sem prejudicar a saúde

Data: 17/08/2011

No verão diversas pessoas migram para as praias do litoral brasileiro em busca de diversão.

Muitos aproveitam os feriados e as férias coletivas para curtir a estação praticando esportes aquáticos e de areia.

É nessa época que os cuidados com a pele, corpo e alimentação devem ser redobrados, pois, com o aumento da população nas cidades litorâneas, surgem às viroses, infecções alimentares, insolações e desgastes físicos por conta do calor.

No que diz respeito à prática de esportes e atividades física nas praias, as recomendações mais importantes estão associadas à hidratação do organismo, com o consumo abundante de líquidos, no tempo da prática esportiva, que deve ser na média de 45 minutos diários, quatro vezes por semana e o horário da prática esportiva, que deve ser antes das 10hs e após as 17hs.

De acordo com o cardiologista e responsável pelo Sport Check-up do HCor - Hospital do Coração, em São Paulo, Dr. Nabil Ghorayeb, a prática de esportes é bem vinda, desde que realizada de forma correta e sem exageros ao organismo.

“Recomendamos as atividades de cunho aeróbico como caminhadas, corridas, bike, lazer na água, frescobol, futebol, vôlei de praia, entre outros. Essas atividades devem ser praticadas moderadamente e nos horários em que o sol está menos agressivo. Outro fator determinante é a condição ambiental. O excesso de calor, a alta sensação térmica e a poluição das praias (areia e água) também devem ser levadas em conta”, afirma o cardiologista e médico do esporte.

Hidratação

De acordo com Ghorayeb, os exercícios praticados na praia exigem mais do organismo devido ao desgaste natural que o exercício na areia proporciona.

“A intensidade dos movimentos é maior e demandam mais esforço físico do atleta, que gastará mais energia e, consequentemente perderá mais líquido, necessitando de uma hidratação constante”, afirma.

No caso das bebidas alcoólicas as mesmas não são consideradas como hidratantes naturais ao organismo.

“A hidratação deve ser feita com água mineral ou de coco, e líquidos isotônicos.

As bebidas alcoólicas não são consideradas hidratantes, além disso, elas provocam um aumento exagerado da diurese”, explica Ghorayeb.

Dicas para a prática de esportes na praia

- Consumo de líquidos abundantemente;

- Uso de Protetor Solar no corpo e rosto a cada 2hs;

- Uso de boné, óculos e viseiras para a proteção dos olhos e cabeça;

- Uso de roupas leves;

- Ingerir alimentos leves, como frutas, água de coco, lanches naturais, entre outros;

- Praticar as atividades por 45 minutos em média (4 vezes por semana), antes das 10hs e após as 17hs;

- Realizar as atividades de forma moderada e respeitar os limites do organismo;

Fonte: www.hcor.com.br